Publicado em Filosofia, Monografias Filosóficas

A verdade como adequação do intelecto à coisa, na perspectiva de Tomás de Aquino

Efígie de Tomás de Aquino

A verdade, para Tomás de Aquino, se dá como adequação. No sentido formal, adequação do intelecto com a coisa, não obstante, considerando a verdade ontológica como o fundamento da verdade lógica. Assim, a verdade, enquanto produção da realidade no intelecto, não depende do juízo da alma, e sim da própria existência da realidade.

S. Tomás afirma que as coisas, isto é, a realidade está situada entre dois intelectos: o divino e o humano. E se diz verdadeira segundo a relação com estes intelectos. Em relação ao intelecto divino, a coisa se diz verdadeira na medida em que corresponde ao pensar criador de Deus, que a idealiza. Assim, a verdade ontológica é definida como adequação de uma coisa com a ideia que a pensa. Por outro lado, na relação com o intelecto humano, a coisa se diz verdadeira na medida em que é apta a fazer com que seja conhecida pelo intelecto humano; ou seja, na medida em que nos é inteligível.

E, neste sentido, Tomás afirma que todas as coisas são inteligíveis ao intelecto humano, uma vez que a razão de sua inteligibilidade, como também a inesgotabilidade de sua verdade seja o fato de sua condição de ser criatura. O fato das coisas serem criadoramente pensadas por Deus, segundo o aquinate, fundamenta o seu ser inteligível, como também o seu ser inesgotável ao intelecto humano. Assim, concebendo as coisas como pensamento de Deus, infere que nenhuma coisa é falsa, pois Deus é concebido como a verdade eterna, da qual todas as verdades possuem o seu fundamento.

Desta forma, a verdade ontológica é o fundamento da verdade formal. Assim como Tomás[1] afirma: “a verdade, produzida na inteligência pelas coisas criadas, não depende do juízo da alma, e sim da própria existência das coisas”. Neste sentido, pode-se compreender com mais razão a teoria do conhecimento tomista, que afirma que o conhecer humano inicia-se nos sentidos.

Acerca disso, ele afirma que o conhecimento inicia-se nos sentidos, mas se constitui como algo espiritual; ou seja, universal pela ação do intelecto. Enfatizando, assim, o aspecto espiritual da alma humana, que necessita do corpo para conhecer. Condição, com efeito, que não nega a superioridade das potências intelectivas sobre as sensitivas, que apresentam unicamente o aspecto passivo frente o mundo, enquanto as faculdades intelectivas, embora apresentem um aspecto passivo, são também agentes frente à realidade que se dá aos sentidos.

Portanto, a verdade, para São Tomás, é enquanto tal independente de qualquer condição humana. O homem pode até deixar de existir, mas a verdade continuará existindo, pois o seu fundamento é o ser em si mesmo, compreendido enquanto Deus, o fundamento de toda existência. Assim, a verdade entendida enquanto formalidade não corre o risco de cair num relativismo, fruto de um subjetivismo negador da realidade, enquanto fundamento de todo conhecer humano.[2]

Divino Eterno Pereira Campos[3]

Texto integral da Monografia: A verdade como adequação do intelecto à coisa, na perspectiva de Tomás de Aquino


[1] TOMÁS DE AQUINO. Sobre a verdade, q.1, a. 2, ad 3.

[2] TCC apresentado no dia 02 de dezembro de 2011 como requisito parcial para conclusão no Curso de Filosofia.

[3] Seminarista da Arquidiocese de Goiânia, concluinte do Curso de Filosofia no IFTSC em 2011.

Palavras-chave: Verdade; adequação; intelecto; coisa.

Publicado em Monografias Teológicas, Teologia

A Ressurreição na morte, uma nova chave hermenêutica

Algo que muito chama a atenção é a reflexão sobre a morte, que muitos não querem fazer. Dessa forma, o presente trabalho deseja ajudar a refletir sobre esse assunto que parece tão assustador, mas que na verdade nos leva a fazermos a experiência da ressurreição, que é uma grande oferta de um Deus que ama, e que quer a vida plena de seus filhos e filhas.

Sendo assim, tematizar a morte é, por equivalência, refletir a vida, revalorizando á luz da ressurreição. Cabe, portanto, a cada um na sua liberdade acolhê-lo, para que aconteça evento tão maravilhoso. A ideia do trabalho é tomar a consciência disso.

PALAVRAS CHAVE: Vida. Morte. Inferno. Purgatório. Parusia. Ressurreição.

Confiram a íntegra do TCC: A Ressurreição na morte, uma nova chave hermenêutica

Eliézio Barros Viana[1]


[1] Seminarista da Diocese de Tocantinópolis (TO), concluiu o curso de Teologia no IFTSC em 2011.